Associação Brasileira de Horticultura | Sexta-feira, 19 de Janeiro de 2018  
 
 
 
 



MANEJO DE TOSPOVIROSES EM ALFACE ATRAVÉS DE MÉTODOS INTEGRADOS
Autor: Alexandre de Moura Guimarães, Marcelo Agenor Panava & Norberto da Silva

            O efeito de barreiras, filme plástico, cobertura morta e cultura armadilha na imigração de tripes e na incidência de tospovirose na cultura da alface foi estudada em condições de campo nos anos de 1995, 1996 e 1997. Os tratamentos utilizados foram: barreira com a cultura do milho, cobertura do solo com casca de arroz, cultura armadilha com a espécie Lycopersicon peruvianum, cultura armadilha + casca de arroz e controle em1995 e 1996; barreira com a cultura do milho, cobertura do solo com casca de arroz, cobertura do solo com plástico aluminizado, cultura armadilha + cobertura do solo com casca de arroz, cultura armadilha + cobertura do solo com plástico e o controle em 1997; foram distribuídos em parcelas sub divididas. A imigração de tripes foi estimada nas subparcelas através de armadilhas adesivas amarelas. Comparado como o controle, os tratamentos reduziram o número de tripes capturados e a  incidência de tospoviroses. Tripes foram negativamente afetados pela cobertura do solo com plástico aluminizado e pela casca de arroz, interferindo com percepção visual utilizada pelos tripes migratórios para localizar um hospedeiro favorável. Efeito significativo em função da utilização de barreira também foi observado.

            Progênies F5  do cruzamento entre o progenitor recorrente ‘Brasil 303’ e o progenitor doador ‘PI 342444’ foram testadas para resistência. O desenvolvimento, no campo, apresentou seis progênies com características de resistência, equivalente ao progenitor doador.


Voltar para a página anterior
Associação Brasileira de Horticultura 1999-2012. Todos os direitos reservados.