Associação Brasileira de Horticultura | Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2018  
 
 
 
 



CONTROLE DA MURCHA DE FITÓFTORA EM PIMENTÃO ATRAVÉS DA ENXERTIA
Autor: Romulo Fujito Kobori & Chukuchi Kurozawa

A murcha de fitóftora, causada pelo fungo Phytophthora capsici é uma das doenças mais importantes e destrutiva para a cultura do pimentão.

O presente trabalho teve como objetivo estudar a viabilidade do uso de porta-enxertos de Capsicum annuum resistentes para o controle desta doença. Inicialmente foi avaliado o comportamento de linhagens de C. annuum resistentes à murcha de fitóftora, oriundas do programa de melhoramento genético da Agroflora/Sakata, quando inoculadas com as concentrações 104, 105 e 106 zoósporos/ml do patógeno.

Houve interação significativa entre linhagens X concentração (a = 0,01), sugerindo que diferentes genes e/ou alelos foram fixados nas diferentes linhagens para a expressão da resistência genética observada. Comportaram-se como resistentes à concentração 104 zoósporos/ml as linhagens: AF-1911L, AF-1912L, AF-1913L, AF-1914L, AF-1915L, AF-1916L, AF-1947L, AF-1949L e SCM-334; à concentração 105 zoósporos/ml as linhagens: AF-1914L, AF-1916L, AF-1947L e SCM-334; e à concentração 106 zoósporos/ml somente as linhagens AF-1914L e SCM-334.

Utilizando-se estas linhagens resistentes, a linhagem suscetível AF-1536L e o esquema de cruzamentos em dialelo completo, sem recíprocos, foram obtidos 45 híbridos F1 para possível uso como porta-enxerto. Estes 45 híbridos F1 foram inoculados com a concentração de 5 x 104 zoósporos/ml de P. capsici e baseado na menor taxa de morte/dia foram selecionados os seguintes híbridos mais resistentes para a continuação do trabalho: AF-2316H, AF-2317H, AF-2321H, AF-2324H, AF-2607H, AF-2615H, AF-2622H, AF-2633H, AF-2638H, AF-2639H e AF-2640H.

Estes porta-enxertos híbridos selecionados foram enxertados com o híbrido Magali-R e inoculados por três vezes com P. capsici na concentração 105 zoósporos/ml para avaliar a estabilidade da resistência destes porta-enxertos. Baseado na maior estabilidade da resistência foram selecionados os seguintes porta-enxertos híbridos: AF-2607H, AF-2622H, AF-2633H, AF-2638H, AF-2639H e AF-2640H.

Avaliando-se os componentes de produção e características fenológicas da compatibilidade da combinação porta-enxerto X enxerto, os porta-enxertos híbridos selecionados foram enxertados com o híbrido Magali-R e as combinações foram avaliadas em ensaio conduzido em casa plástica. O híbrido Magali-R pé-franco, enxertado sobre si mesmo e sobre a linhagem SCM-334 serviram como testemunha.

A combinação SCM-334 e Magali-R, porta-enxerto e enxerto, respectivamente, apresentou a menor altura média das plantas aos 56 e 167 dias após a enxertia e os menores diâmetros e peso médio do caule do porta-enxerto e enxerto, no final do experimento, quando comparado com as demais combinações.

As combinações envolvendo os porta-enxertos AF-2638H e SCM-334 apresentaram menor produção (número e peso de frutos/parcela) e uma tendência a menor longevidade de produção. Para as demais combinações não foram observadas diferenças significativas para número, peso e peso médio de frutos produzidos.

O híbrido Magali-R pé franco apresentou uma maior precocidade de produção e uma maior variação da produção entre as colheitas, quando comparado com as combinações anteriores.

Dentre as combinações avaliadas, aquelas envolvendo os porta-enxertos híbridos AF-2316H, AF-2317H, AF-2607H, AF-2615H e AF-2638H apresentaram as melhores relações para diâmetro médio do porta-enxerto e enxerto e peso médio do caule, valores indicativos de boa compatibilidade porta-enxerto X enxerto, quando comparadas com as demais combinações.

Os resultados do presente trabalho sugerem que os porta-enxertos híbridos AF-2316H, AF-2317H, AF-2607H, AF-2615H e AF-2638H poderão ser utilizados como uma alternativa no controle da murcha de fitóftora em pimentão.


Voltar para a página anterior
Associação Brasileira de Horticultura 1999-2012. Todos os direitos reservados.