Associação Brasileira de Horticultura | Terça-feira, 16 de Janeiro de 2018  
 
 
 
 



EFICIÊNCIA E SELETIVIDADE DO HERBICIDA METAMITRON1 NA CULTURA DE BETERRABA
Autor: Albino Rozanski¹; Eduardo Antonio Drolhe da Costa¹; Marcus Barifouse Matallo1. ¹. Centro Experimental do Instituto Biológico – Laboratório das Ciências das Plantas Daninhas, Rodovia Heitor Penteado km 3. Caixa Postal 70, CEP 13001-970, Campinas, SP
Tipo: Trabalho
RESUMO
Foram conduzidos dois experimentos nos municípios de Jundiaí e Campinas, em solos de textura areno-argilosa e argilosa contendo 3,0% e 3,8% de matéria orgânica, respectivamente para avaliação da eficiência e seletividade do herbicida metamitron na cultura da beterraba. Em ambos locais adotou-se o delineamento de blocos ao acaso com os seguintes tratamentos repetidos 4 vezes: metamitron nas doses de 3,5; 4,2 e 4,9 kg.ha-1 e metolachlor2 a 2,5 kg.ha-1 no experimento em Jundiaí. No experimento de Campinas foi aplicado somente o herbicida metamitron nas doses de 2,8; 3,5; 4,2; 4,9 e 5,6 kg.ha-1 além de uma testemunha capinada e outra sem capina nos dois ensaios. Os tratamentos foram aplicados em pré-emergência das ervas e da cultura com pulverizador pressurizado a CO2 comprimido. As avaliações de fitotoxicidade e controle foram realizadas aos 17 e aos 36 dias após a aplicação dos tratamentos (DAT) em Jundiaí e aos 23, 28 e 47 DAT em Campinas. Os resultados mostraram que em ambos experimentos o metamitron controlou com eficácia as espécies Amaranthus hybridus, Amaranthus viridis, Eleusine indica, Galinsiga parviflora e Lepidium virginicum em doses iguais ou superiores a 3,5 kg.ha-1. Em nenhum dos ensaios foram observados sintomas visuais de fitotoxicidade nas plantas de beterraba cv. Early wonder ou diferenças significativas entre os tratamentos herbicidas na produção de beterraba, quando comparados às testemunhas capinadas

Voltar para a página anterior
Associação Brasileira de Horticultura 1999-2012. Todos os direitos reservados.