Associação Brasileira de Horticultura | Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2018  
 
 
 
 



EFEITOS DO CONDICIONAMENTO OSMÓTICO E DA HIDRATAÇÃO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PIMENTÃO (CAPSICUM ANNUUM L.) SUBMETIDAS A BAIXA TEMPERATURA
Autor: Sheila Cristina Prucoli Posse2; Roberto Ferreira da Silva3; Henrique Duarte Vieira4; Paulo Henrique Aragão Catunda5. 2/3Universidade Estadual do Norte Fluminense - UENF/CCTA/LFIT, Av. Alberto Lamego - 2000, Horto, 28015-620, Campos dos Goytacazes - RJ
Tipo: Trabalho
RESUMO
Com o objetivo de promover a germinação das sementes de pimentão (Capsicum annuum L.), principalmente à baixa temperatura, utilizaram-se técnicas de pré-hidratação e condicionamento osmótico ou “priming”. Inicialmente, as sementes de pimentão do híbrido Atenas AG-322 foram submetidas às temperaturas constantes de 20, 25, 30ºC e à temperatura alternada de 20-30ºC. As sementes foram colocadas, ainda, para embeber em água destilada (pré-hidratação) por zero, um, três, seis, 12, 24, 36, 48, 60 e 72 horas, e em seguida, foram secas até atingirem o seu conteúdo de água inicial. Posteriormente, as sementes foram colocadas para germinar nas temperaturas de 20 e 25ºC. Outra técnica utilizada foi o condicionamento osmótico com soluções de PEG 6000 nos potenciais de 0,0; -0,5; -1,0 e -1,5MPa por períodos de sete, 14 e 21 dias, seguido de secagem das sementes, antes de submetê-las ao teste de germinação nas temperaturas de 20 e 25ºC. Embebição por 72 horas e o condicionamento osmótico com PEG a -0,5 MPa por 21 dias foram os tratamentos que mostraram-se mais eficientes em melhorar a germinação das sementes de pimentão à baixa temperatura.

Voltar para a página anterior
Associação Brasileira de Horticultura 1999-2012. Todos os direitos reservados.