Associação Brasileira de Horticultura | Sexta-feira, 19 de Janeiro de 2018  
 
 
 
 



DESEMPENHO DE CULTIVARES DE ALFACE AMERICANA NO SUL DE MINAS GERAIS.
Autor: Jony Eishi Yuri1; Geraldo Milanez de Resende2; José Hortêncio Mota1; Silvio A. C. de Freitas3; Juarez C. Rodrigues Júnior3; Rovilson José de Souza1 1UFLA - Departamento de Agricultura, C. Postal 037, 37200-000 Lavras – MG. 2EMBRAPA Semi-Árido, C. Postal 23, 56300-000 Petrolina - PE; 3REFRICON - Rod. Regis Bittencourt s/n km 294, 06850-000 Itapecerica da Serra - SP.
Tipo: Trabalho
RESUMO
Com o objetivo de avaliar o desempenho produtivo de cultivares de alface americana nas condições do sul de Minas Gerais, foi conduzido em Santana da Vargem, MG, um experimento nos meses de março a junho de 2002. Utilizou-se o delineamento em blocos casualizados, com 13 cultivares (Raider, Legacy, Rubette, Rocco, RX66, Adal, 4553R7, AEL10, Iglo, RTP3030, RTP2020, Paloma e Sandy) e três repetições. Avaliou-se a sanidade das folhas externas, massa fresca total e comercial, circunferência da cabeça comercial e comprimento de caule. Para a sanidade das folhas externas as cultivares RPT 2020, RPT 3030 e Raider, com notas 5,0; 5,0 e 4,6, respectivamente, foram superiores às demais cultivares. Em relação à massa fresca total, os melhores desempenhos foram obtidos pelas cultivares RPT 3030 (1105 g planta-1), Raider (1075 g planta-1), Paloma (1044 g planta-1), RPT 2020 (1029 g planta-1) e 4553R7 (1017 g planta-1), que não diferiram estatisticamente entre si. Para a massa fresca comercial, as cultivares Raider (738 g planta-1), 4553R7 (712 g planta-1), RPT 2020 (696 g planta-1), Rocco (679 g planta-1), Paloma (668 g planta-1), Sandy (663 g planta-1) e RPT 3030 (623 g planta-1) foram superiores estatisticamente às demais. A cultivar 4553R7, com 49,2 cm, foi a que apresentou o melhor resultado em termos de circunferência da cabeça comercial. O comprimento de caule variou entre as cultivares de 2,8 a 4,6 cm.

   Veja o resumo expandido

Download do arquivo olfg4156c.pdf
   Download


Voltar para a página anterior
Associação Brasileira de Horticultura 1999-2012. Todos os direitos reservados.