Associação Brasileira de Horticultura | Terça-feira, 16 de Janeiro de 2018  
 
 
 
 



PRODUÇÃO DE MASSA SECA DE PLANTAS DE ALFACE PROVENIENTES DE MUDAS COM DIFERENTES IDADES FISIOLÓGICAS
Autor: Maria Carolina G. Espindola; Jerônimo L. Andriolo; Moisés O. Stefanello
Tipo: Trabalho
O trabalho teve como objetivo determinar o efeito da idade fisiológica das mudas de alface no transplante, sobre a produção de massa seca das plantas na lavoura. As mudas foram produzidas em bandejas de poliestireno de 128 células, empregando substrato comercial. As semeaduras foram efetuadas em quatro datas: 5 (T1), 11 (T2), 19 (T3) e 26 (T4) de julho de 2001. O transplante para os canteiros foi feito em 3 de setembro, aos 60; 54; 46 e 39 dias após a semeadura, respectivamente. Foi determinado o número de folhas e a massa seca das mudas no transplante e, das plantas, ao final do experimento. No transplante, o número médio de folhas por muda foi de 6,0; 6,0; 4,8 e 4,0 e a massa seca de 0,7; 0,5; 0,5 e 0,3 g/muda, respectivamente. Ao final do experimento, o número médio de folhas foi similar em T1, T2 e T3, totalizando 21,2; 21,2 e 20,6 folhas/planta, respectivamente, enquanto em T4 foi inferior com 15,4 folhas/planta. O crescimento foi similar em T1, T2 e T3, totalizando ao final do experimento 12,4; 12,2 e 11,2 g/planta, respectivamente, sem diferenças significativas, enquanto a massa seca de T4 foi de 6,0 g/planta, diferindo dos demais. Concluiu-se que o transplante pode ser efetuado com 5,0 folhas/muda e 0,5g/muda, podendo ser retardado no período de inverno e primavera até as mudas atingirem 6,0 folhas/muda e 0,7g/muda.

   Veja o resumo expandido

Download do arquivo 42_050.pdf
   Download


Voltar para a página anterior
Associação Brasileira de Horticultura 1999-2012. Todos os direitos reservados.