Associação Brasileira de Horticultura | Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2018  
 
 
 
 



ESTIMATIVA DA DISPOSIÇÃO A PAGAR POR ALIMENTOS ORGÂNICOS EM GOIÂNIA-GO
Autor: Edemilson Moreira Coelho
Resumo:

Estimativa da disposição a pagar por alimentos orgânicos em Goiânia-GO.

O consumo de orgânicos tem crescido a taxas elevadas, mas ainda representa uma parcela pouco significativa do mercado de alimentos. Em Goiânia-GO, a oferta de alimentos orgânicos é insignificante, diante de uma aparente demanda potencial não atendida. Este trabalho teve como objetivo estimar, junto aos consumidores, sua máxima disposição a pagar (DAP) um prêmio pelos atributos de qualidade dos orgânicos, e os fatores que a determinam. Para tanto, foi usado o Método de Avaliação Contingente, através da técnica Jogos de Leilão (bidding games), para a obtenção do valor econômico total do alimento orgânico (valor de uso + valor de não-uso). Foram entrevistados consumidores em feiras-livres convencionais, apresentando-lhes um mercado hipotético onde estaria regularmente ofertada, ao lado dos alimentos convencionais, uma cesta de cinco alimentos orgânicos, três hortaliças e duas frutas.

Através de modelos de regressão múltipla obteve-se equações de demanda inversa para cada alimento estudado, onde a variável dependente DAP é explicada por algumas variáveis socioeconômicas. Os resultados obtidos confirmam a existência de um mercado potencial para alimentos orgânicos em Goiânia-GO, onde cerca de 90% dos consumidores estão dispostos a pagar um prêmio pela qualidade diferenciada desses produtos. Os modelos de regressão restritos mostraram-se consistentes com o referencial teórico da avaliação contingente, porém, com baixo poder de predição do prêmio pelas variáveis explicativas, revelando as dificuldades para identificação de um padrão no comportamento do consumidor nesse mercado. Dentre as variáveis explicativas, merece destaque a renda familiar, significativa nos modelos de todos os produtos e correlacionada positivamente com o valor da DAP.

Palavras-chave: agricultura orgânica, mercado consumidor, método de avaliação contingente, jogos de leilão.

Abstract

Estimate of consumers' willingness to pay for organic foods in Goiania, Goias, Brazil.

Organic food consumption has grown rather quickly, although it still represents a low market share in the food market. In Goiânia-GO, organic food supply is insignificant considering its potential demand and lack of current supply. The objective of this project was to elicit the maximum consumers' willingness to pay (WTP) a price premium for the quality features of organic foods, along with which variables determine this. To achieve the results, the Contingent Valuation Method (CVM) was used through bidding games format, to obtain the total economic value of the organic food (use value + non-use value). Consumers were interviewed in street produce markets.They were introduced to a hypothetical market, where a bundle of five organic foods, three vegetables and two kinds of fruit, would be regularly offered to them next to conventional foods. Through multiple regression models, inverse demand equations were obtained for each food researched, where the WTP dependent variable is explained by some socio-economic and demographic explanatory variables.The results confirm the existence of a potentially powerful market for organic foods in Goiânia-GO. About 90% of the consumers stated their willingness to pay a price premium for the distinctive quality of these products.

The restricted regression models are in close relation to the theoretical framework of contingent valuation, but reveal a low prediction influence of WTP by explanatory variables. This is due to the difficulties in identifying a pattern of consumer behaviour in this market. Within the independent variables, household income became evident, significant in the regression models of all types of foods researched and presented positive correlation to the WTP value.

Key words: organic agriculture, consumer market, contingent valuation method, bidding games.

Voltar para a página anterior
Associação Brasileira de Horticultura 1999-2012. Todos os direitos reservados.