Associação Brasileira de Horticultura | Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2018  
 
 
 
 



DESTAQUE » Beterraba sem Anéis Brancos Conquista Preferência

A produção nacional de beterraba é uma das mais significativas dentro do contexto volume total do mercado nacional agrícola de hortaliças. Segundo dados estatísticos oficiais disponíveis, existem hoje no Brasil cerca de 10.000 hectares desta hortaliça, produzidos em mais de 100.000 propriedades. Deste total, cerca de 45% estão localizadas com maior predominância nas regiões de São José do Rio Pardo, Piedade e Ibiúna, no estado de São Paulo, e São Gotardo, Madre de Deus e Carandaí, no estado de Minas Gerais, região sudeste. Outros 35% estão localizados na região sul, especialmente nos cinturões verdes das grandes capitais, como Curitiba e Porto Alegre. Estas regiões são responsáveis pela produção de 250.000 ton. a 300.000 ton/ano, receita que contribui para a remuneração anual de mais de 500.000 pessoas que permanecem no campo.

A preferida dos consumidores

Os consumidores estão cada vez mais exigentes em produtos que sejam saborosos e bonitos. No caso da beterraba, eles preferem o produto sem anéis brancos, ou seja, um fruto todo vermelho e mais suculento.

Na hora de escolher a beterraba para comprar, uma das observações feitas pelas donas de casas e consumidores em geral é a existência de anéis brancos ao redor da leguminosa. Segundo Antonio Shohei Hiramatsu, consultor técnico da Bejo Sementes, este tipo de ocorrência é conhecida por anelamento, sendo raro nas variedades híbridas, enquanto nas demais ocorre com maior intensidade. "No período do verão, que é considerado uma época crítica para esta cultura, em alguns campos a o anelamento pode atingir entre 20% e 25% da plantação, sendo que a média nas variedades gira em torno de 10% a 15%. Apesar de, para o produtor, esta doença não ter um impacto comercial muito relevante, para o revendedor ela é mais significativa devido à recusa do consumidor na hora da aquisição nas feiras e supermercados", garante o consultor.

Anéis brancos são um problema fisiológico da planta que acontece sob a condição de estresse, temperatura ou falta de água. Normalmente, eles são mais comuns nas variedades OP. No híbrido ocorre uma melhor característica de padronização, menor estresse e maior resistência à ocorrência destes anéis abrancos. Isso não quer dizer que ela não venha a ter o anel branco. "Ela pode ter, mas no material híbrido ele é menos perceptível que nas outras variedades. A vantagem de ser menos perceptível é que o consumidor prefere a beterraba sem o anel branco, pois a dona de casa não gosta da beterraba com esta coloração", complementa.

Mas, explica Paulo E. Trani, pesquisador do IAC, produtos que não mostram os anéis "brancos", que desvalorizam o produto, não dependem apenas da cultivar (variedade ou híbrido), mas também da temperatura ambiente. "Altas temperaturas (acima de 25 a 30 graus) favorecem o aparecimento de anéis e coloração vermelha menos intensa em relação às épocas mais frias", esclarece o pesquisador.

Em geral, os híbridos atualmente presentes no mercado mostram menos problemas de anéis claros e são mais uniformes que as variedades convencionais. Para Paulo Trani, a decisão do produtor em escolher qual variedade ou híbrido depende também da exigência do mercado e se o produtor quer mais quantidade ou qualidade.

Cuidados

O pesquisador do IAC, S. Wilson Tivelli, explica que, nos plantios de verão, quando a raiz da beterraba se forma em condições de temperatura alta, pode ocorrer a formação dos anéis de coloração branca. Como essa característica do produto não é desejada pelo consumidor final, geralmente o produtor não consegue vender o produto. Assim sendo, a existência de cultivares que não formam tais anéis oferecem uma nova opção para os produtores. "A variedade e ou cultivar escolhida pelo produtor interfere no formato da raiz, na uniformidade das raízes, e, mais recentemente, na presença ou não de anéis", orienta.

Há diferentes seleções (um mesmo cultivar de empresas diferentes) no mercado brasileiro. O produtor deve procurar aquela que proporcione a melhor uniformidade de raízes em sua região. "Pelo conhecimento que tenho nessa cultura, nos meses mais frios ou em regiões acima de 800 m de altitude, o produtor pode plantar o ano todo a cultivar Early Wonder Tall Top (existem seleções de diversas empresas), de formato arredondado. Se esse produtor vender a sua produção apenas para o segmento residencial, eu não recomendo o plantio do H. Rodina, que tem formato cilíndrico. Por sua vez, se seus clientes são do segmento de cozinhas industriais, essa parece ser uma boa opção", indica S. Wilson Tivelli.

Para produtores que plantam beterraba nos meses mais quentes do ano e estão localizados abaixo de 800m de altitude, existe a opção de semear beterrabas híbridas. Apesar dessas custarem cerca de 5 vezes mais do que a cultivar Early Wonder Tall Top, os produtores poderão contar com o beneficio desses genótipos não formarem anéis brancos. São exemplos desses híbridos os H. Krestel, H. Redondo F1 e H. Boro F1.

Data de Publicação: 08/08/2006   Fonte: Revista Campo & Negócios online

Indique para um amigo  Imprimir  Enviar comentário 

Voltar para a página anterior
Associação Brasileira de Horticultura 1999-2012. Todos os direitos reservados.