Associação Brasileira de Horticultura | Sexta-feira, 24 de Novembro de 2017  
 
 
 
 



GERAL » Alta do tomate é quatro vezes maior que a inflação no primeiro trimestre de 2017

O tomate servido na mesa dos belenenses teve um reajuste superior a quatro vezes a inflação nos primeiros três meses de 2017: entre janeiro e março, a fruta passou a custar 4,14% mais caro. No mesmo período, a inflação de acordo com o índice nacional de preços ao consumidor calculado pelo IBGE foi de 0,98%.

Reajustes como o do tomate, que é presença certa na salada, como acompanhamento de proteínas e dando o sabor a massas e pães, fazem com que a alimentação básica do paraense continue entre as mais caras do país. Segundo levantamento do Dieese, os 12 itens da cesta básica custam R$ 394,21 no estado, o que representa quase metade do salário minimo de R$ 937, que está em vigor desde primeiro de janeiro.

Segundo as analises do DIEESE, a trajetória de preço do Kg do Tomate consumido pelos paraenses, comercializados em feiras e supermercados da capital não foi uniforme. Em Dezembro do ano passado o preço do Kg do Tomate foi comercializado em média a R$ 4,11. No começo do ano o produto estava sendo comercializado em média a R$ 4,17 ; em Fevereiro o quilo foi comercializado em média a R$ 4,08 e no mês de março o produto foi comercializado em média a R$ 4,28.

"Infelizmente segundo o DIEESE , a tendência para este mês de abril ainda é de alta no preço do Tomate tanto em Feiras Livres como em Supermercados da Grande Belém", explica o economista Roberto Sena.

Um dos fatores que explica o aumento do preço do tomate é a comercialização, já que grande parte do tomate consumido no Pará é importado de outros estados. Outro é a sazonalidade, já que nesta época do ano as questões climáticas influenciam no preço da fruta

Data de Publicação: 19/04/2017   Fonte: Por G1 PA, Belém

Indique para um amigo  Imprimir  Enviar comentário 

Voltar para a página anterior
Associação Brasileira de Horticultura 1999-2012. Todos os direitos reservados.