Associação Brasileira de Horticultura | Domingo, 21 de Janeiro de 2018  
 
 
 
 



INHAME E TARO - Sistemas de Produção Familiar


Título: INHAME E TARO - Sistemas de Produção Familiar
ISBN 85-89274-01-2
Editor: Carlos Alberto Simões do Carmo
Ano: 2002, 279pp.
Valor: R$ 30,00
Email: abh@iac.sp.gov.br


• Distribuição geográfica e taxonomia das famílias Araceae e Dioscoreaceae no Brasil: Gilberto Pedralli
• Importância das tuberosas tropicais: Marney Pascoli Cereda
• Inhame na Bahia - A produção no caminho da competitividade: Augusto Sávio Mesquita
• Análise conjuntural sobre as culturas do taro e do inhame no estado de Minas Gerais: João Carlos Juliatti, José Sidney Teixeira Saraiva, Enio Bergoli da Costa, Carlos Alberto Simões do Carmo
• Situação atual e perspectivas das culturas do taro e do inhame no estado de Minas Gerais: Maria Helena Tabim Mascarenhas, Leda Morais de Andrade Resende
• Situação atual e perspectivas das culturas do taro e do inhame no estado do Rio de Janeiro: Newton Novo Costa Pereira
• Situação atual e perspectiva do taro no estado de São Paulo: Domingos Antonio Monteiro
• Situação atual e perspectiva do inhame no estado de São Paulo: Domingos Antonio Monteiro
• Situação atual e perspectivas das culturas do taro e do inhame na região Centro-Oeste do Brasil: Néstor Antonio Heredia Zárate
• Situação atual e perspectiva do inhame no estado da Paraíba: Elson Soares dos Santos
• Perspectivas do mercado internacional de raízes tropicais: Pedro de Faria Burnier
• Comercialização do taro e do inhame no mercado do estado do Espírito Santo: Hermeval Guerini
• Comercialização do inhame no mercado do nordeste brasileiro: Elson Soares dos Santos
• Comercialização do taro e do inhame na região Centro-Oeste do Brasil: Néstor Antonio Heredia Zárate, Maria do Carmo Vieira
• Pesquisas desenvolvidas na Universidade Federal de Viçosa com as culturas do taro e do inhame: Mário Puiatti
• Pesquisas com a cultura do taro no estado do Espírito Santo: Carlos Alberto Simões do Carmo, Woelpher Pierângelo de F. Bárbara
• Pesquisas com a cultura do inhame no estado da Paraíba: Elson Soares dos Santos
• Pesquisas com as culturas do taro e do inhame na região Centro-Oeste do Brasil: Néstor Antonio Heredia Zárate, Maria do Carmo Vieira
• Sustentabilidade das culturas do inhame e do taro na região Centro-Oeste do Brasil: Néstor Antonio Heredia Zárate, Maria do Carmo Vieira
• Manejo cultural do taro no estado de Minas Gerais: Sérgio Pereira de Carvalho
• Manejo da cultura do inhame: Elson Soares dos Santos

Resumo
Apresentam-se neste trabalho os resultados dos estudos de sistemática, taxonomia, distribuição geográfica e etnobotânica das famílias Araceae e Dioscoreaceae no Brasil, enfocando-se, principalmente, as espécies cultivadas e/ou domesticadas. As Araceae, conhecidas popularmente por 'inhames' ou 'taro', apresentam, segundo Mayo (1999), cerca de 105 gêneros e 3.500 espécies com distribuição tropical e subtropical. As Dioscoreaceae, chamadas popularmente de "carás", apresentam nove gêneros e cerca de 850 espécies de distribuição tropical, subtropical e temperada (Pedralli, 1998). As principais espécies de Araceae cultivadas no Brasil, para fins alimentícios são Colocasia esculenta (L.)Schott e Xanthosoma sagittifolium (L.)Schott, e as de Dioscoreaceae são Dioscorea bulbifera L., D. cayennensis Lam., D. dumetorum (Kunth)Pax e D. alata L. Muitas espécies de inhame e taro são também utilizadas como medicinais. Em face do seu potencial alimentício, considerou-se D. altíssima Lam. e D. dodecaneura Vell. Como as mais promissoras para melhoramento genético. Sugere-se, também, a padronização do uso dos nomes populares para as espécies cultivadas de Araceae ('taro') e Dioscoreaceae ('inhame') no Brasil, com o objetivo de facilitar sua identificação e comercialização pelos produtores rurais.
Voltar para a página anterior
Associação Brasileira de Horticultura 1999-2012. Todos os direitos reservados.